na minha estante: Plutão

plutc3a3o

Há algum tempo atrás – mais precisamente um ano em outubro – conheci a história de August Matthew Pullman, um menino Extraordinário com características e experiências que me fizeram repensar diversos valores e amizades, principalmente não julgar um livro pela capa.

Quase um ano depois, ao descobrir Plutão, um spin-off de Extraordinário, redescobri a sensibilidade de R. J. Palacio em abordar um tempo tão delicado quanto a deficiência. Em Plutão, Palacio traz a história de Christopher Angus Blake, melhor amigo de Auggie, que por diversas razões acabou se afastando do amigo de infância, e quando digo que é de infância é bem lá do comecinho, visto que as mães são amigas antes mesmo dos meninos nascerem, e precisam de alguma forma lidar com essa nova situação.

O distanciamento ocorre primeiro porque Christopher muda-se com os pais para longe da família Pullman e, como sabemos, a distância, assim como o cotidiano agem, muitas vezes, de maneira negativa nos relacionamentos, o que os afastou pouco a pouco. Contudo essa história não é sobre distanciamento, tal qual Plutão longe da Terra, mas sim sobre como os laços que existem podem perdurar apesar de tudo.

Àqueles que leram Extraordinário – o primeiro livro da série – Plutão, provavelmente, os fará sorrir, tal qual o primeiro livro. Aos que não leram, aconselho ler primeiro Extraordinário e depois descobrir outros pontos de vista nos spin-offs: O capítulo de Julian e Plutão, vocês não vão se arrepender.

Autor: R. J. Palacio
Tradutora: Rachel Agavino
Editora: Intrínseca
Ano: 2015
Páginas: 90

na minha estante: Expresso Zahar

  • As cinco sementes de laranja de Sir Arthur Conan Doyle (2012);
  • Chapeuzinho Vermelho de Charles Perrault (2012);
  • A história dos três porquinhos de Joseph Jacobs (2014);
  • A princesa e a ervilha de Hans Christian Andersen (2014);

As quatro obras citadas acima fazem parte da coleção da Editora Zahar, conhecida como Expresso Zahar e tem como objetivo trazer contos, histórias e fábulas de autores famosos em mini cápsulas de leitura. 

No site da Amazon encontrei essas e outras obras distribuídas gratuitamente e outras da coleção por valores bastante acessíveis, não tem desculpa para não ler. Mas confesso que das quatro histórias, gostei mais da escrita por Sir Doyle, e a que menos gostei foi a do Hans Christian Andersen.

na minha estante: Sejamos todos feministas

sejamostodosfeministas

A obra publicada pela editora Companhia das Letras na verdade é uma adaptação do discurso da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie no TEDx Euston, que conta com mais de 1 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé (você pode conferi-lo aqui). Para mim, este discurso é um relato que aponta como muitas coisas ainda precisam mudar para que tenhamos um mundo mais justo e quem sabe até pacífico, onde mulheres e homens serão tratados com equidade e respeito. A leitura é bastante rápida, mas nem por isso perde seu poder de nos fazer refletir. Li o discurso disponibilizado de graça pela Amazon no Kindle, mas também é possível conferi-lo no vídeo acima. Acredito que vão gostar!

Autora: Chimamanda Ngozi Adichie
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2014
Páginas: 46

na minha estante: Laranja Mecânica

Capa da nova edição do livro Laranja Mecânica

Como diria Alex, o personagem desta história criada pelo inglês Anthony Burgess, este livro é horrorshow, em vários sentidos, principalmente a linguagem utilizada por Alex e seus drugues  (gíria nadsat criada por Burgess).

E como há tempos não acontecia, tenho medo de dizer alguma coisa e estragar a experiência de vocês com o livro (apesar de saber que muitos já assistiram o filme). Para mim foi um momento de muitos sentimentos, principalmente em relação ao protagonista da história. Por vezes fiquei tão ansiosa, mas não conseguia parar de ler. Então, para não gerar ainda mais expectativas (porque eu sei como podemos nos frustrar com isso), deixo aqui a pequena resenha do livro:

Narrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma resposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex – soberbamente engendrada pelo autor – empresta uma dimensão quase lírica ao texto.

Autor: Anthony Burgess
Tradução: Neloson Dantas
Editora: Aleph
Ano: 2012
Páginas: 352