Nota

Cantiga de amigo

Passarinho, passarinho, cantes pra mim
e me diga onde estás tão verde brilho enfim,
por onde voas?

Passarinho, passarinho, cantes pra ele
e lhe diga onde estou enfim tão brilho verde
por onde voas?

Cante e bata as asas, vá para o rio
e me traga boas novas, faz me sorrir
por onde voas?

Me traga boas novas, faz me feliz
digas que estás perto, pronto a me ter
por onde voas?

Anúncios
Nota

Metaformose

O ninho não é quente, e a vista tão conhecida não agrada mais, contudo, ainda traz algum conforto. A mãe pia enquanto traz novos gravetos. Você também mostra a voz, estufa o peito e pia: quer logo voar. Outros pássaros aproximam-se e não o deixam alçar voo, repetem incansavelmente em uníssono: “tu não sabes voar/ tu não sabes voar”. Ninguém parece lembrar do impulso vital, do instinto de sentir a vida soprar em suas veias ou do vento a passar suave sob suas asas. Ah! quem dera alcançar o sol, as nuvens, as estrelas. Quem dera ouvi-los, todos, de perto, num sussurro doce – às vezes, também, num berro amargo. Tuas asas foram feitas para o exercício. Tuas asas, imensas, assustam os atrofiados, assustam aqueles que tem medo de voar. Porventura, há quem não saiba lidar com a tua imensidão. Há, ainda, quem tente te podar, te enjaular, te julgar. Mas lembre-se: você foi feito pra voar, passarinho. Então, voe! Voe e não deixe de cantar, porque o canto afasta o medo e só faz embelezar. Sei que a essa altura o céu é o limite e o medo da queda pode assustar, porém, lá do alto, os problemas serão menores, passarinho, tu verás com melhor clareza. Voe e faça do mundo tua morada: durma no alto dos montes ou quem sabe repousará nas belas praias de mar azul, desbrave o mundo e não deixe de um dia voltar.

Dos cotidianos imagináveis #3

Mikhaël Theimer

Mikhaël Theimer

Nem bem chegou, já teve de partir. Tão breve quanto o encontro, o beijo. Tão suave quanto o vento a movimentar as flores na primavera, o toque das mãos. Tão profundo quanto os sonhos, os olhos a se fitarem, a mergulharem um no outro. Se aquela rua pudesse falar, diria que nunca viu um casal tão em sintonia, e para tal harmonia não precisaram pronunciar nem uma só palavra.