24. The person that gave you your favorite memory

Essa é a mais bela responsabilidade da vida 
e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso.
Charles Chaplin

.

.
Fabrício Luan Weber,

Oi meu lindinho, tudo bem? Como você cresceu, todo homenzinho, indo pra escola.  Deixa a madrinha te contar uma história? Faz cinco anos que o seu pai, meu querido tio, me ligou me fazendo um convite para fazer parte da sua vida. Não que eu precisasse de convite, afinal, estávamos ligados por laços consanguíneos, que pra mim já vale como um convite. Mas o convite não foi para fazer parte só dos seus aniversários, nem só do seu casamento. Mas sim, de toda a sua construção como pessoa, cidadão, filho, irmão, primo, sobrinho, estudante, ser humano.

Tinha eu meus 15 anos e ao invés de uma festa de debutante ganhei o convite para ser sua madrinha. Convite que aceitei logo. Foi uma das minhas primeiras grandes alegrias do mundo adulto. Afinal, era um convite para exercer um papel muito importante na vida de um serzinho que eu nem conhecia, mas por quem eu já devotava muito amor. Acredito que receber a notícia da sua vinda a esse mundo, em fevereiro de 2005, e o pedido para ser sua madrinha podem ser comparados a alegria que tive de passar no vestibular, de encontrar o primeiro amor. São como os primeiros passos, únicos.
Tão bom saber que os seus pais confiam em mim. De certa forma, é uma vida que estão deixando também em minha responsabilidade. E é tão bom ter alguém por quem zelar. Alguém em quem pensar. Pra quem eu dedico parte do ano, horas e dias de imaginação acerca do que fazer para tornar o pouco tempo que temos juntos algo especial. Algo do que você possa lembrar.
Sabe, hoje, cinco anos depois, vejo que você também está dando os seus primeiros passos, já vai pra escola sem chorar, já desgrudou da barra da saia da mãe, e hoje, já sabe andar sozinho de bicicleta, sem usar as rodinhas de apoio, não é incrível?

Acho que tudo isso faz mais bem pra mim do que pra você, porque quem fica com o sorriso bobo no rosto não é você, e sim uma menina-mulher, de vinte anos, que aos quinze aprendeu que bonecas não ensinam ninguém a cuidar de uma criança. Mas pode ajudar à uma menina-mulher a ser um pouco mais responsável. Ser madrinha me ensinou que primeiro eu tenho que príncipios para transmitir. Servir realmente como exemplo.
Só digo uma, não vejo a hora de ter o meu baixinho junto de mim para apertar e abraçar, e conferir de perto seus primeiros passos.

Primeiros passos descobrindo um mundo novo, bem do ladinho de casa. onhecendo caminhos por onde se quer pensou em ir. Descobrir o mundo da leitura, da escrita. Ficar feliz com aquele carrinho de controle remoto que nunca imaginou ter. Ou simplesmente numa brincadeira no balanço. O primeiro choro que não é de manha nem de fome. Mas aquele que nos ensina alguma coisa.

Também poder fazer parte de todo o seu crescimento. Conhecer a primeira namorada.  Leva-lo ao primeiro show. Talvez acompanha-lo na primeira grande viagem. Comemorar com ele a vitória no vestibular. Apoia-lo quando se sentir angustiado, imaginando que não está no curso certo. Ou então que está feliz, mas nunca se viu tão estressado. Recebe-lo em casa quando estiver prestando concurso, ou até mesmo, porque está só de passagem.
Espero de coração, que ele enxergue que estarei aqui para o que ele precisar. Em todos os momentos.

Com amor,

Sua dinda!

23. The last person you kissed

Um beijo é um segredo que se diz na boca e não no ouvido.
Jean Rostand

.

.
Ao último que eu beijei,

Já foram inúmeras as conversas que eu te dediquei. São inúmeros os assuntos e os pontos de vista. São, também, inúmeras as confusões em minha mente. É um querer e não saber se quer de fato. É um carinho terno. Não é paixão. Quer dizer, talvez seja. Não sei. Talvez seja paixão, amor, amizade, eu sei que é alguma coisa. Só não reconheço, ainda. 

Então, uso as palavras de Pessoa pra dizer que eu acho que é isso que quero dizer hoje. Por favor, leia-me.



Eu.
.

22. Someone you want to give a second chance to

.

.
Amados leitores(a),

Por favor, dêem-me uma segunda chance de reescrever essa carta. Estou com sono e sem ideias no momento. Espero que compreendam a situação. Eu sei que a responsabilidade de dar uma segunda chance, agora, é minha, mas assim que passar, prometo reescrevê-la como se deve.



Grata,


a Redatora.

21. Someone you judged by their first impression




“Quando se destrói um velho preconceito, sente-se a necessidade duma nova virtude.”

Madame de Stael

.

.

Thai,

Oi amiga, tudo bem? Finalmente a sua carta chegou. E espero de coração que goste do que escrevo aqui hoje pra você. Espero conseguir explicar para os outros o porquê dessa carta ser pra você. Porque eu sei que você já sabe o motivo, nós já conversamos tanto sobre isso.
Então, comecemos pelo começo.
Primeiro ano do ensino médio e nós duas estudávamos no mesmo cursinho, na mesma sala com mais cem pessoas. Nós até nos víamos, nos cumprimentávamos, mas não passava disso. Você lembra? Então veio o segundo ano, o terceiro e nada de criar um laço de amizade. E por que? Preconceito, julgamos pela ‘capa’ uma da outra. Eu te achava muito cheia de si, metida. E você provavelmente me achava uma cdf, certinha e sem papo (acho que era algo assim, rs), quase uma chata. Mas então veio a faculdade, mais precisamente o primeiro período, as aulas do Silvino, os ‘trabalhos’ do Jóvens, as ‘sustentabilidades’ e ‘reciclagem’ das apresentações de trabalho, e ali, no meio daquela novidade toda, foi também uma novidade ver o quanto eu tinha errado a respeito de você.
Hoje, depois de quatro períodos convivendo juntas sabemos que somos muito diferentes, que temos visões diferentes das coisas, objetivos e caminhos diferentes, mas eu acho que é isso que faz a nossa amizade funcionar tão bem. Sem julgamentos, sem cobranças, contamos sempre uma com a outra e não é preciso muito pra uma entender a outra. Uma amizade incondicional. 
Obrigada por ser essa pessoa incrível. Obrigada pela oportunidade de me deixar fazer parte da sua vida depois de tanto tempo. Obrigada por me mostrar o quanto eu estava errada e por me ensinar que pré-julgamentos são a pior coisa do mundo. E mais uma coisa obrigada por ser essa amiga maravilhosa, sempre risonha (até quando está chorando), que procura sempre estar do lado das amigas, mesmo quando elas não estejam merecendo muito isso. Saiba que estarei aqui sempre que você precisar! Amo você, Thai!


Sua amiga,


Mé.

20. The one that broke your heart the hardest

“Menos pela cicatriz deixada, 
uma ferida antiga mede-se mais exatamente pela dor que provocou,
 e para sempre perdeu-se no momento em que cessou de doer, 
embora lateje louca nos dias de chuva”.

Caio Fernando Abreu

.

.
Oi, como se sente hoje? 

Faz tanto tempo que não conversamos, não é mesmo? Pois então, acho que nós precisamos ter uma conversinha. Eu não queria falar de coisas tristes contigo, mas já que você insiste em se preocupar com aquilo que te faz mal, posso te perguntar por quê? O que você ganha com isso? Apenas mais tristeza, não é mesmo? E quer saber de uma coisa? No fundo você sabe que não tem a quem culpar pelas coisas que te entristecem. Pois você é a única responsável por isso e você sabe. Sabe que é você que se fere, porque não deixa que outros sequer cheguem perto de você. Então, quem se fere é você. Você que mantém todos longe, porque tem medo que alguém, algum dia, te faça tão feliz, mas tão feliz que você não saberá o que fazer com tanta felicidade. Sairá sorrindo nas ruas, cantará músicas alegres e as pessoas passarão a reparar na tua beleza e em como a vida (ou alguém) te fez feliz. E é aí que está o seu grande medo. Deixar-se ser feliz. Afinal, você sempre acaba pensando demais no futuro, não é? E pensando no futuro, tu imagina que essa felicidade um dia vai acabar. Que ele vai te magoar. E as pessoas vão reparar que tu tá triste, que você não canta mais, não sorri mais. E pra você, dói saber que não saberá disfarçar essa dor. Não saberá sorrir apenas para evitar perguntas dos fofoqueiros. Você tem medo que a felicidade um dia acabe. Mas e se ela realmente não foi feita pra durar? Sabe, por que simplesmente não se deixar levar e aproveitar o momento? Por que é que você tem que evitar a felicidade apenas para evitar um sofrimento que você nem sabe se realmente existirá? Por que é que tu me fere tanto? Deixa os outros tentarem te fazer feliz e caso isso não aconteça, e alguém de fato te magoar. Estarei aqui, firme e forte pra sua próxima temporada de felicidade. Eu prometo.
Um coração partido.



Agradecimento especial ao meu querido amigo Tarcísio pela paciência em ler os rascunhos dessa carta e por me dar uma luz. Obrigada! (L)

19. Someone that pesters your mind – good or bad

.

.

E as horas lá se vão, loucas ou tristes… 
Mas é tão bom, em meio às horas todas, pensar em ti… 
Saber que tu existes! 

Mário Quintana

Acho que Mário Quintana consegue dizer bem o que alguém sente quando pensa numa pessoa. Por mais que você não aguente mais pensar nela, porque você fica focado numa coisa só… é bom pensar nela só por saber que ela existe. Você está me entendendo? Eu acho que sempre fico confusa quando falo de você. É que você, bem, você tem algo que realmente me faz pensar muito. Tá, não são as coisas que você tem, mas sim o que você faz. Não sei. São tantos gestos, palavras, atitudes, não tem como não pensar em tudo isso. Você sabe bem como é. Não é fácil. Mas olha, eu estou te contando isso, mas não é pra você ficar convencido não. Porque por vezes eu não penso em ti, viu?! Mas são bem poucas às vezes… é quando eu me deparo com gestos, atitudes e palavras que superam as suas. E acredite, isso às vezes acontece e realmente me desnorteiam. Eu fico a pensar em tudo o significam essas situações. E eu acabo ficando confusa. Mais do que eu geralmente sou. Então eu volto a pensar em você e penso o quanto é fácil conseguir me confundir. Por isso, às vezes eu penso, não em você, eu penso que seria mais fácil se eu não me prendesse a gestos e atitudes. Não seria mais fácil? Não sei. Eu só queria dizer que você não sai de mim. Não sai.

.